É de se esperar que modernizações, de forma geral, influenciem positivamente processos que exigem eficácia em seus resultados. Afinal, existe uma expectativa de que técnicas mais modernas facilitem os procedimentos.

E quem não quer eficiência quando se trata de questões que necessitam atenção e impactam diretamente em nossas vidas, né? Bom, eu não abro mão! E, claro, com as eleições não poderia ser diferente.

Tecnologia como prioridade

Um artigo publicado no relatório “O Futuro das Eleições” por Charles Lasham, ex-presidente da Associação de Administradores Eleitores do Reino Unido, ressalta a importância do papel da tecnologia em todo o processo eleitoral, desde a compilação e manutenção da lista de eleitores até a participação crescente em cada eleição.

Porém, ele pontua que há um caminho a ser percorrido nesse processo. Há quase 20 anos, é uma prioridade do Reino Unido trabalhar em projetos de novas tecnologias e métodos eleitorais, especialmente os relacionados à votação e contagem.

Lashman destaca a criação do Serviço Digital de Registro Individual, que permite o registro de cada eleitor de forma online, implementado em 2013, como um grande marco do avanço tecnológico nas eleições.

Desafios encontrados

Mesmo apresentando facilidades e sendo bem recebido pela população, estima-se, em análise pós-eleições no Reino Unido, que o serviço adotado pelo governo deixou aproximadamente 800 mil pessoas de fora por dificuldades de acesso ao sistema.

A Smartmatic, recentemente, apresentou soluções para os desafios encontrados pelos administradores eleitorais do Reino Unido. Entre elas estão: dispositivos de registro de eleitores, urnas eletrônicas, voto online e nova solução de contagem de votos para Londres.

Observou-se, então, uma dificuldade na estruturação de um roteiro estratégico, que torne possível a execução das propostas de projetos pilotos que sugerem, por exemplo, votação antecipada e mesas de voto, que permitiriam que o pleito pudesse ser realizado em qualquer lugar, bem como votação pela internet.

Impacto da tecnologia

Um relatório feito pelo Webroots Democracy, laboratório de ideias de campanha do Reino Unido, em 2015, conclui que uma eleição virtual traria bons resultados, entre eles o aumento da participação nas eleições gerais em 79%, aumento da participação dos jovens eleitores e uma economia de aproximadamente 12,8 mil euros a longo prazo.

Para o autor do artigo, é fundamental pensar em um sistema de segurança eleitoral que se adapte às necessidades dos eleitores de forma moderna e eficiente “se o Reino Unido deseja permanecer um líder global no século XXI”.

Londres

A Smartmatic, junto à CGI – empresa de consultoria especializada em TI -, está desenvolvendo tecnologia eleitoral para a cidade de Londres. As empresas estão trabalhando em uma solução eletrônica para a contagem precisa das marcas dos eleitores nos boletins de voto e declaração de resultados para três eleições que ocorrerão em maio de 2020, incluindo a da prefeitura de Londres.

“As eleições de Londres empregarão tecnologia moderna, segura e confiável e aumentarão a confiança dos cidadãos no processo e fortalecerão a democracia”, explicou Antonio Mugica, CEO da Smartmatic.

COMENTÁRIOS