A gente já sabe que a tecnologia eleitoral vem contribuindo para eleições mais seguras, ágeis e transparentes em todo o mundo. Mas mesmo neste cenário cada dia mais promissor, um grupo de eleitores costuma ficar à margem do processo: as pessoas com deficiência.

A boa notícia é que as inovações tecnológicas podem ajudar na acessibilidade e garantir que esses cidadãos tenham seus direitos eleitorais respeitados e que eles possam acessar com mais facilidade a urna.

Pesquisa

Recentemente, foi realizada uma pesquisa com eleitores dos Estados Unidos que se declararam com algum tipo de deficiência, seja de visão, audição, cognitiva ou de mobilidade. Mais da metade deles declarou que já enfrentou desafios para votar pessoalmente.

A pesquisa concluiu que 65% deles desejam melhorias nas urnas, como máquinas mais fáceis de usar (32%). Um quarto dos entrevistados disse que não queria cédulas de papel, já que lidar com o papel pode ser um desafio para os eleitores com certas deficiências.

Essa pesquisa, preparada para a Smartmatic pela Southpaw Insights, envolveu 1.004 eleitores e mostrou que os eleitores com deficiência dão um enorme valor ao poder de votar de forma independente, privada e da mesma maneira que todos os outros cidadãos.

Entre aqueles que enfrentam desafios, as máquinas de votação foram citadas como problemáticas por 28%, dos quais 45% dizem que problemas com as urnas os mantiveram em casa no dia das eleições.

Melhorias na acessibilidade e usabilidade das urnas são uma oportunidade importante de melhorar a experiência eleitoral para os eleitores com deficiências físicas e cognitivas.

Além das melhorias de acessibilidade nas máquinas, 41% dos eleitores com deficiência gostariam de ter a opção de votar remotamente. Isso encabeça a lista de melhorias que gostariam de ver nas próximas eleições norte-americanas.

Soluções para inclusão

Pensando nesse grupo de eleitores, a Smartmatic está fabricando uma urna acessível e com design inovador para o condado de Los Angeles, a maior jurisdição eleitoral dos Estados Unidos e com uma das populações mais diversas étnica e culturalmente.

As urnas acessíveis foram testadas no final de setembro e a estreia oficial será durante as eleições primárias de 2020, quando serão implantadas 30 mil máquinas.

O novo sistema contará com um dispositivo de marcação de cédula que facilita aos eleitores uma experiência de votação personalizada, para atender às suas necessidades.

Os eleitores podem acessar 13 idiomas, ajustar a tela para um ângulo confortável, alterar configurações de exibição como tamanho e contraste do texto ou fazer a votação usando um fone de ouvido de áudio e um controle. Tudo isso pensando nos diferentes tipos de necessidades que os eleitores podem ter.

COMENTÁRIOS